PATCHWORK DESIGN 2017 E EXPOSIÇÃO CONTEMPORÂNEO

    1338

    Evento vai reunir trabalhos de arte têxtil, além de produtos e oficinas gratuitas

    T

    écnica conhecida por seus desenhos delicados, o patchwork – em português, “trabalhos com retalhos”- vem ganhando contornos ousados. Com novas linguagens, ganhou status de arte. Todo o resultado da criatividade dos artistas plásticos que hoje se dedicam a técnica pode ser conferida na edição 2017 da Patchwork Design, que reúne uma feira especializada do setor têxtil e na Contemporâneo – Exposição Internacional de Arte Têxtil. O evento acontece de 27 a 29 de abril, no Clube Monte Líbano, no Rio de Janeiro.

    Casamento

    A “Contemporâneo – Exposição Internacional de Arte Têxtil” vai apresentar 70 trabalhos de 56 artistas (46 artistas estrangeiros e 10 artistas brasileiros). Entre os estrangeiros, destaque para os trabalhos da artista americana Barbara O’Steen que narram a preocupação com a preservação do meio ambiente, como “Trees” – painel em 3D que reproduz em tecido o tronco de uma árvore. Já os brasileiros participarão reunindo uma série única com todos os trabalhos do mesmo tamanho.

    Na exposição o público poderá conferir peças de patchwork moderno. “Os trabalhos são quase todos abstratos e apresentados em exposições galerias de arte e museus de vários países. São trabalhos contemporâneos. As pessoas nem acreditam que o que estão vendo é tecido. A técnica dá liberdade ao artista de brincar a vontade, misturando não somente as cores, mas texturas”, conta Zeca Medeiros, curador da exposição.

    O patchwork só chegou ao Brasil na década de 60, quando foi descoberta por estilistas e decoradores. Nos anos 90 a técnica ganhou força e hoje o patchwork é cada vez mais reconhecido como obra de arte.

    O evento apresenta também uma feira de serviços e produtos que oferece desde a matéria prima até produtos acabados nos 70 estandes de expositores da indústria têxtil, como maquinários, livros, revistas, tecidos e produtos de decoração, cama, mesa, banho, vestuário e acessórios, todos usando a técnica do patchwork tradicional.

    A edição 2017 da Patchwork Design, que também acontecerá em Curitiba em junho, oferece oficinas gratuitas para quem quer se arriscar a fazer um pequeno trabalho usando a técnica tradicional. As inscrições podem ser feitas no local.

    – Nosso objetivo é dar destaque e valorizar cada vez mais essa arte. O evento conta com um público cativo dentre eles pessoas que trabalham com a técnica, simpatizantes e colecionadores de arte, explica Zeca.

    O crescimento da indústria do patchwork

    Enquanto nos séculos XVI, XVII e XVIII mulheres se esforçavam para fazer colchas bonitas e aconchegantes, na era Vitoriana (século XIX) a criação do patchwork com a técnica “Crazy” tornou-se um hobby elegante que levou a ideia de se fazer trabalhos apenas para exposição.

    Nos anos 70, jovens artistas “descobriram” o patchwork, dominaram a técnica e rapidamente começaram a experimenta-los em estilos contemporâneos.

    Galerias de arte se recusavam a expor quilts (patchwork) artísticos por que o patchwork não era visto como dignos de consideração artística e mostras de patchwork se recusavam a aceitar trabalhos artísticos por que não se limitavam a estilos e técnicas tradicionais.

    A primeira exposição de patchwork artístico foi realizada no final dos anos 70 nos EUA. O patchwork contemporâneo atinge o seu auge no século XXI. Atualmente, museus e galerias de arte atraem grandes multidões para exposições como a “Quilt National” nos EUA ou o “Quilt Nihon” no Japão.

    No Brasil a “Contemporâneo” lidera esse movimento e apresenta vários estilos de arte têxtil de artistas consagrados e emergentes de vários países.

    A técnica ganhou o mundo e hoje em dia movimenta bilhões de dólares em vários países, inclusive o Brasil.

    Nos últimos 15 anos o número de consumidores do patchwork aumentou tanto que motivou o surgimento de uma indústria nacional para atender exclusivamente esse mercado. Tecelagens fabricam tecidos com estampas próprias para o trabalho, editoras publicam livros e revistas sobre a técnica, indústrias de máquinas de costura criam novas tecnologias para atender o artesão, lojas especializadas e eventos espalhados por todo Brasil, abastecem milhares de consumidores e artesãos que vivem ou fazem dessa arte um hobby.

    A edição 2017 da feira Patchwork Design vem mais uma vez, reunir micros e pequenas e grandes empresas com os lojistas e o consumidor final, a fim de alavancar direta e indiretamente o volume de negócios do setor.

    – O mercado cresceu tanto que desde 2011 a Patchwork Design passou a acontecer também em São Paulo e este ano estará também em Curitiba. Em 2017 estão sendo esperados cerca de 11 mil visitantes, 23% a mais que em 2016. A expectativa, segundo a organização do evento, é de que o volume de negócios ultrapasse R$ 3 milhões.

    Zeca Medeiros conta também que a feira recebe visitantes de todo Brasil e da América Latina.

    SERVIÇO:
    Patchwork Design 2017 e Contemporâneo – Exposição Internacional de Arte Têxtil com 70 trabalhos de 56 artistas – brasileiros e estrangeiros – e curadoria de Zeca Medeiros. Feira de produtos da área têxtil e oficinas gratuitas, com inscrições no local do evento.

    Rio de janeiro: 27 a 29 de abril
    Clube Monte Líbano – Av. Borges de Medeiros, 701 – Lagoa.

    Curitiba: 7 a 10 de junho
    Expo Trade Convention Center
    Rodovia Deputado Leopoldo Jacomel, 10.454 – Vila Amélia, Pinhais.

    Horário: 13 às 19h // Entrada: R$ 24,00 inteira e R$ 12,00 meia

    Site: http://www.bializ.com/patchworkdesign/